Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 43

Diabetes

Que o seu alimento seja o seu remédio!

Reverta!

A glicose, um tipo de açúcar proveniente da ingestão de carboidratos na alimentação, é o principal combustível usado pelo corpo como fonte de energia. Em condições normais, sua quantidade na circulação é regulada pelo corpo com precisão. Porém, no diabetes, uma dificuldade no metabolismo da glicose causa o seu acúmulo no sangue e resulta em danos à saúde.

O diabetes é comum e de incidência crescente. Hoje, estima-se que 11% da população brasileira com 40 anos ou mais sejam diabéticos, o que representa cerca de 5 milhões e meio de portadores.1 Porém estima-se que cerca de 50% dos portadores de diabetes desconhecem o diagnóstico. 2 No mundo, em 2010, estima-se que existem 285 milhões de pessoas com diabetes tipo 2, mas a incidência está aumentando e o número de casos pode dobrar até 2030. 3,4

Os sintomas do diabetes são: sede excessiva, vontade frequente de urinar, fome exagerada, perda de peso (mesmo sentindo mais fome e comendo mais do que o habitual), visão embaçada, infecções de repetição, cansaço e dores nas pernas causadas por má circulação. Entretanto, em alguns casos, principalmente no início, o diabetes tem poucos sintomas e pode passar desapercebido. 5

Existem dois tipos de diabetes. O diabetes tipo 1 é uma doença auto-imune caracterizada pela destruição das células produtoras de insulina, localizadas no pâncreas. Por esse motivo, o organismo deixa de produzir insulina (ou produz apenas uma quantidade muito pequena), e geralmente requer injeções diárias de insulina para regularizar o metabolismo do açúcar. Felizmente, esse tipo de diabetes é menos comum (5 a 10% dos casos). No diabetes tipo 2 (cerca de 90% dos casos), há uma grande relação com o estilo de vida e a obesidade. Estima-se que 60% a 90% dos portadores da doença sejam obesos. 

Há também o pré-diabetes, um estágio intermediário entre a normalidade e o diabetes tipo 2 do adulto. Nesse estágio, os níveis de glicose no sangue estão elevados mas ainda não chegaram aos níveis de diabetes. Se nenhuma providência for tomada, esta condição pode evoluir ao diabetes.

Existem fatores que são considerados de risco para o desenvolvimento da doença. Entre eles estão: idade maior que 45 anos, história familiar, alimentação inadequada, estresse, excesso de peso, sedentarismo, hipertensão arterial e alterações nas taxas de colesterol e triglicérides. O consumo de gorduras saturadas (presente nos produtos de origem animal) e as gorduras trans (presente em alimentos industrializados como bolos e sorvetes) prejudica o funcionamento da insulina e pode levar ao diabetes. 6Diabetes: reverta!

Se a doença não for corretamente tratada e controlada, os níveis de açúcar permanecem elevados na circulação e causam sérios danos à saúde. As consequências mais frequentes são: infecções, entupimento das artérias (aterosclerose) causando derrames e infartos, lesões nos nervos (neuropatia), perda de visão, insuficiência renal e problemas circulatórios nos membros inferiores que requerem amputações.

O tratamento do diabetes é normalmente feito com medicações via oral e insulina, caso necessário. Porém, muitas pessoas acreditam que o diabetes não é reversível e só pode ser controlado. Outras pensam que a genética é destino, e que nada podem fazer pois herdaram a doença dos seus pais. Entretanto, muitos estudos científicos têm demonstrado que a mudança de estilo de vida é eficiente e segura para controlar e até mesmo reverter o diabetes tipo 2, principalmente no início da doença. Um deles, realizado nos Estados Unidos, testou o impacto de uma dieta sem produtos de origem animal no controle da glicemia de pacientes com diabetes tipo 2. Após 5 meses de estudo, observou-se que a dieta vegetariana melhorou consideravelmente o controle do diabetes, além de permitir que 43% dos participantes diminuíssem a medicação. 7  Outros estudos comprovam que dietas baseadas em vegetais (frutas, verduras, cereais integrais, leguminosas, nozes e castanhas) reduzem o risco de diabetes tipo 2. 8,9

Se você tem pré-diabetes, história de diabéticos na família ou já foi diagnosticado com a doença, a Clínica tem o programa ideal para você. Além da dieta natural, a clínica oferece aconselhamento médico e nutricional para você adotar um estilo de vida anti-diabetes ao voltar para casa. Nosso programa de atividades físicas vai ajudá-lo a perder peso, recuperar a massa magra e diminuir os níveis de glicose na circulação. Enfim, queremos ajudá-lo a mudar seus hábitos para você recuperar o controle da sua saúde e mudar de vida.

 

Referências:

  1. Ministério da Saúde. Cadernos da Atenção Básica: Diabetes Mellitus, pg. 9. Brasília, 2006.
  2. Malerbi D, Franco L. Multicenter study of the prevalence of diabetes mellitus and impaired glucose tolerance in the urban Brazilian population aged 30-69 yr. Diabetes Care 1992;15:1509-16.
  3. Williams Textbook of Endocrinology (12th ed.). Philadelphia: Elsevier/Saunders. pp. 1371–1435
  4. Wild, S; Roglic, G; Green, A; Sicree, R; King, H (2004). "Global prevalence of diabetes: Estimates for the year 2000 and projections for 2030". Diabetes care27 (5): 1047–53.
  5. Sociedade Brasileira de Diabetes. Disponível em: http://www.diabetes.org.br/sintomas-de-diabetes
  6. Risérus U, Willett WC, Hu FB. Dietary fats and prevention of type 2 diabetes. Progress in Lipid Research 2009. 48 (1): 44–51
  7. Barnard, N., et al., A low-fat vegan diet improves glycemic control and cardiovascular risk factors in a randomized clinical trial in individuals with Type 2 Diabetes. Diabetes Care, 29:1777-83, 2006.
  8. Snowdon, D., and Phillips, R. Does a vegetarian diet reduce the occurrence of diabetes? Am J Public Health, 75:507-512, 1985.
  9. Jenkins, D., et al., Type 2 diabetes and the vegetarian diet. Am J Clin Nutr, 78 (3 Suppl):610S-616S, 2003.
Você está aqui: Home PROGRAMAS Doenças que tratamos Diabetes