fbpx

Por mais que haja pessoas que gostam mais do calor ou do frio, o fato é que um dia ensolarado costuma dos deixar animados. Da mesma forma, uma sequência de dias nublados afeta o humor de forma negativa — um efeito já conhecido em países com invernos longos e intensos. Mas afinal, qual é a ligação entre depressão e luz solar? É possível estabelecer (e se beneficiar) com essa relação?

Quer você sofra de depressão ou não, este tema é de extrema importância. Pesquisas recentes têm mostrado que a exposição à luz solar é fundamental para prevenir uma série de doenças e contribui para melhorar a saúde mental. Então, continue a leitura e veja os principais motivos para colocar incluir o sol na sua rotina de cuidados.

Qual é a importância da luz solar?

Durante vários anos, o sol foi considerado um vilão. A exposição à luz solar foi desestimulada devido à sua associação com o crescimento dos casos de câncer de pele. Com uma vida cada vez mais reclusa em casas, escritórios e meios de transporte, passamos a evitá-lo ou optarmos pela proteção química.

No entanto, embora não seja nossa intenção estimular o comportamento irresponsável da hiperexposição à luz solar, também precisamos destacar que deixamos de utilizar um remédio precioso da natureza. Os estudos recentes mostram que tomar sol é importante para desencadear uma série de processos no organismo, evitar doenças e proporcionar saúde mental.

Conheça alguns motivos para voltar a tomar sol:

1. O sol é essencial para a síntese da vitamina D

Apesar de receber o nome de vitamina D, na verdade essa substância é um hormônio. Por isso, a alimentação não consegue suprir nossas necessidades diárias desse importante elemento para o funcionamento do organismo. Precisamos as proporcionar as condições ideais para nosso corpo produzi-la — ou seja, devemos tomar sol.

Em outro artigo, já falamos sobre as consequências da falta de vitamina D. Essa carência está associada a uma série de doenças, como osteoporose, raquitismo (em crianças), diabetes, obesidade, asma, infecções, problemas cardiovasculares, queda da imunidade e depressão.

Portanto, tomar sol é um remédio que contribui para nos livrar de todas essas doenças. Só esse motivo já é suficiente para colocar alguns minutos de exposição ao sol na sua rotina.

2. Tomar sol ajuda a dormir melhor

Muitas das funções do nosso organismo são reguladas pelo ciclo circadiano, ou seja, aquele que acontece uma vez por dia. Um desses processos é o sono.

No entanto, como nosso corpo sabe que se passou um dia? A contagem do cérebro não acontece de acordo com o relógio, mas com as indicações ambientais. No caso do sono, os sinais que indicam os períodos para ficar acordado (vigília) ou dormindo são a luz e a escuridão.

Porém, hoje em dia vivemos em ambientes muito artificiais. Durante o dia, somos protegidos da luz solar pelas construções. À noite, continuamos expostos à iluminação artificial devido à eletricidade. Não é de se estranhar que o cérebro tenha dificuldade para identificar o momento de dormir e a insônia esteja se tornando tão comum.

Estudos mostram que a exposição à luz solar é uma ótima forma de sinalizar esses períodos ao cérebro. Quando as pessoas têm contato com a luz solar pela manhã, elas começam a produzir a melatonina, que é o hormônio do sono, mais cedo. Dessa forma, elas conseguirão dormir melhor e mais facilmente à noite.

3. A luz solar alivia os sintomas da TPM

Uma das causas da TPM é a queda nos níveis de serotonina, um neurotransmissor que atua no cérebro. Quando a quantidade de serotonina é insuficiente, surgem sintomas como depressão no período pré-menstrual, irrigação, mau-humor, fadiga, desejo incontrolável por comida e problemas com o sono.

Tomar sol aumenta os níveis de serotonina produzidos pelo organismo. Existem receptores ativados pela luz solar na nossa retina. Eles desencadeiam uma série de reações que levam à liberação dessa substância que, nas mulheres, causa o alívio dos terríveis sintomas da TPM.

Qual é a relação entre depressão e luz solar?

Na verdade, a relação não se limita apenas à depressão e luz solar, mas à manutenção da saúde mental como um todo. Como vimos, nosso organismo produz serotonina quando é acionado pelos detectores que estão na nossa retina.

A serotonina é um dos principais neurotransmissores relacionados ao nosso bom-humor. Ela contribui para nos mantermos calmos, satisfeitos e focados. O contrário também acontece: quando não há produção suficiente dessa substância, nos sentimos tristes, irritados, mais susceptíveis ao estresse e à depressão.

Além disso, como você pode perceber, a luz solar influencia outros fatores que contribuem para desencadear a depressão. A falta de exposição está associada à insônia, que frequentemente está presente em quadros depressivos. Outra consequência é a carência de vitamina D, o que também dificulta a manutenção da saúde mental.


Então, como você pode perceber, a falta de exposição solar gera um círculo vicioso: reduz a serotonina, deixando a pessoa triste. Prejudica o sono, o que leva à insônia e agrava o quadro. Finalmente, com os baixos níveis de vitamina D, o indivíduo se torna mais vulnerável à depressão.

Como dosar a quantidade de sol que o organismo precisa?

Ao contrário do que as pessoas pensam, não é necessário passar horas sob o sol para produzir vitamina D e desencadear todos os outros efeitos positivos da luz solar. O tempo de exposição depende da cor da pele, do local onde a pessoa vive e mesmo do período do ano.

Peles mais claras respondem à luz solar mais rapidamente. Assim, em um dia de verão, com o céu limpo, e no horário próximo ao almoço, elas dificilmente precisarão de um tempo superior a 5 minutos sob o sol.

As peles escuras são diferentes. Elas contêm mais melanina e, por isso, têm maior resistência a esse processo de síntese da vitamina D. Assim, elas podem necessitar de até 20 ou 25 minutos. No inverno, esse período pode chegar a meia hora.

Vale a pena destacar que esse tempo de exposição é necessário para realizar a conversão da vitamina D. Durante esse período, não se deve utilizar protetor solar, pois ele impediria que os raios UVB atingissem a pele, o que é essencial para que o processo aconteça.

No entanto, caso a pessoa queira permanecer no sol por um período maior, não há problema. Porém, nesse segundo momento, recomenda-se o uso de protetor solar.

Depois de entender a relação entre depressão e luz solar, é fácil ajustar a própria agenda para tomar sol por alguns minutos por dia. Essa exposição pode acontecer ao sair para dar uma volta com o cachorro, sentar em um banco da praça durante seu horário de almoço, ir ao comércio do seu bairro a pé, e assim por diante.

Entendeu qual é a relação entre depressão e luz solar? Que tal compartilhar este artigo com suas amigas e convidá-las para tomarem alguns minutinhos de sol com você? Aí serão dois remédios: a vitamina D e uma boa conversa. Experimente!