Botão de WhatsApp:
x

Precisa de ajuda?

Clique aqui para acessar o atendimento virtual

Você tem medido sua pressão? Ela se mantém em níveis normais ou, como acontece com 1 em cada 4 brasileiros, o ponteiro sobe no momento da aferição? Se esse é o seu caso, fique atento! A hipertensão arterial é um fator de risco para muitos outros problemas sérios de saúde, inclusive aqueles com altas taxas de mortalidade.

Como já explicamos em outro artigo, a hipertensão arterial aumenta os riscos tanto do infarto quanto do AVC, que são as principais causas de morte no país. Mesmo que o hipertenso não chegue ao óbito, sua função cardíaca serrá prejudicada. Ele também estará mais susceptível à demência vascular e a lesões nas artérias dos rins, que pode levar à insuficiência renal.

Portanto, como você pode perceber, controlar a pressão arterial é fundamental para viver mais e melhor. A boa notícia é que é possível fazer esse controle com mudanças simples no estilo de vida. Por isso, neste artigo nós vamos falar sobre alguns erros que, se corrigidos, podem ajudá-lo a vencer esse problema.

1. Consumir sal em excesso

Quando a pessoa sofre com a hipertensão arterial, as paredes dos vasos sanguíneos se tornam mais grossas. Devido a isso, o sangue tem um espaço muito estreito para passar, como você pode ver na imagem a seguir:

Hipertensão arterial

Quando ingerimos sal, o corpo retém líquido. Para que você tenha ideia da proporção, para cada 9 gramas de sal ingerido, a retenção média de água é de 1 litro. Isso aumenta o volume do sangue, que já não tem muito espaço para circular porque as veias estão estreitas. A consequência é a elevação da pressão arterial.

Por isso, reduzir drasticamente a quantidade de sal é a primeira medida para quem quer manter a pressão arterial sob controle. No entanto, não basta tirar o saleiro da mesa ou diminuir o volume colocado nas receitas caseiras. É necessário analisar os rótulos dos alimentos industrializados, que costumam ter muito sódio e também tomar cuidado com a comida ingerida em restaurantes.

2. Ingerir gorduras de origem animal

A gordura que nós comemos também circula pelo organismo, transportada pelo sangue. Ela pode se acumular nos vasos sanguíneos, obstruindo veias e artérias. Os resultados são o infarto ou o acidente vascular cerebral (AVC), quando esse bloqueio acontece no cérebro.

No hipertenso, o risco desse processo de obstrução é ainda maior, pois os vasos sanguíneos são mais estreitos. Portanto, mesmo uma quantidade menor de gordura pode levar a consequências sérias.

Por isso, uma das principais medidas para combater a hipertensão arterial é eliminar as carnes e outros alimentos de origem animal do cardápio. Eles são ricos em gordura saturada, que é rica em colesterol e se solidifica com facilidade, formando verdadeiras placas que obstruem os vasos sanguíneos.

3. Não praticar exercícios físicos

O exercício traz uma série de benefícios para a pessoa que sofre com a hipertensão arterial. Além de fortalecer o coração, tornando-o mais capaz de fazer esforços intensos para bombear o sangue, ele contribui para eliminar a gordura e dilatar os vasos sanguíneos periféricos.

Portanto, como você pode perceber, o exercício físico funciona como um reversor de problemas causados por um estilo de vida inadequado. Ele contribui para desobstruir ou evitar a obstrução de veias e artérias por ajudar o corpo a eliminar a gordura, além de favorecer a circulação tanto com o fortalecimento do coração quanto pelo aumento do diâmetro dos vasos sanguíneos.

Além desses benefícios, o exercício ainda favorece a manutenção do endotélio. Essa é uma camada de tecido que reveste as artérias internamente e produz óxido nítrico. Essa substância funciona como um relaxante dos vasos sanguíneos, facilitando a circulação.

4. Fumar

Fumar é, provavelmente, a pior escolha que um paciente hipertenso pode fazer. O cigarro potencializa os impactos negativos de todos esses hábitos que nós vimos até agora, fazendo com que a pessoa tenha um risco muito maior de infarto ou de AVC.

Para começar, as substâncias presentes no cigarro já são vasoconstritoras. Isso significa que, mesmo se o indivíduo não fosse hipertenso, ele teria seus vasos sanguíneos estreitados apenas por fumar. Na pessoa com pressão alta, esse problema se torna ainda mais grave, dificultando a circulação.

Mas não é só isso. O cigarro também eleva os níveis de açúcar e gordura no sangue. Portanto, ele acelera a formação de placas que obstruem as veias e artérias, aumentando os riscos de sérios problemas cardiovasculares.

A combinação entre hipertensão arterial e cigarro pode ser comparada a uma bomba-relógio. Ela funciona como jogar gasolina em um fogo já existente. A nicotina ativa o sistema nervoso simpático, provocando o aumento na frequência cardíaca e na pressão arterial. Além disso, ela reduz a quantidade de oxigênio oferecidas aos vasos sanguíneos e ao músculo cardíaco.


 

5. Consumir café

O café é uma bebida estimulante e amplamente consumida no Brasil. 80% dos brasileiros consomem entre três e quatro xícaras diárias. Essa quantidade é suficiente para aumentar em até quatro vezes as chances de desenvolver a hipertensão arterial em pessoas que possuem a predisposição genética para esse problema.

O motivo para isso é simples: o café é um estimulante. Ele atua sobre o cérebro e também acelera os batimentos cardíacos. A bebida pode provocar taquicardia, contrai os vasos sanguíneos e libera adrenalina. Portanto, ela também tem um impacto negativo sobre pessoas hipertensas.

6. Não reduzir o peso corporal

Considerada isoladamente, a obesidade já é um fator de risco para o surgimento de doenças cardiovasculares. Porém, ela ainda faz parte de um intrincado conjunto de condições clínicas que, de certa forma, contribuem para o desenvolvimento e manutenção de doenças como a hipertensão arterial.

Para não nos estendermos tanto sore esse assunto, basta afirmarmos que existem estudos que mostram que a redução do IMC, ou seja, do peso corporal, contribui para a diminuição da pressão arterial. Essas pesquisas revelam que, ao emagrecer, o indivíduo passa a precisar de uma quantidade menor de drogas hipotensoras.

7. Não controlar o estresse e a ansiedade

Se você tem é hipertenso ou convive com pessoas com esse problema, já deve ter percebido que as emoções afetam a pressão. Isso acontece porque, quando ficamos ansiosos ou estressados, nosso organismo libera uma descarga de hormônios que nos preparam para a “luta”, como a adrenalina e o cortisol.

Esses hormônios aceleram os batimentos cardíacos com o objetivo de levar mais sangue o oxigênio para os músculos. Assim, eles aumentam instantaneamente a pressão arterial, podendo gerar picos no indivíduo hipertenso. Portanto, cuidar da saúde mental também é importante para o bom funcionamento do sistema cardiovascular.

E você, conseguiu identificar esses 7 erros no seu dia a dia? Entendeu por que é importante eliminá-los para viver livre da hipertensão arterial? Quer ajuda para mudar seu estilo de vida?

Então, não perca tempo! Assine a nossa newsletter para receber dicas, receitas, artigos, entrevistas e muitas sugestões para ter uma vida saudável. Inscreva-se agora mesmo!